sexta-feira, 20 de março de 2015

DICAS EXAME DE SUFICIÊNCIA - ATUALIZADO!


Mais um Exame de Suficiência se aproxima, para aqueles que irão fazer a prova pela primeira vez bate um certo medo, apreensão por algo desconhecido e muitas vezes rotulado como assustador e impossível. Para aqueles que já fizeram e vão tentar novamente, vem aquela desconfiança o medo de falhar novamente.Para todos eu digo a mesma coisa - tenham fé e tranquilidade!

Todos nós temos o conhecimento necessário para conseguir a aprovação, o que vimos na faculdade é suficiente, talvez apenas seja preciso relembrar e praticar mais um pouco. Tais como Princípios Contábeis, estrutura da DRE, Balanço Patrimonial, natureza das contas, classificação em circulante e não circulante, lançamentos, diferenciação entre custo e despesa, custo fixo, variável, direto, indireto, despesas pagas antecipadamente e contas retificadoras. Estes itens que acabei de citar são fundamentais na prova, no curso e na vida do profissional Contábil, então todos tem que saber disso com se fosse seu próprio nome, se alguém tem alguma deficiência em alguns destes, sugiro ler e praticar bastante um livro de Contabilidade Básica e Intermediária.

Nessa postagem falarei de alguns assuntos que têm causado dúvidas nos participantes e que podem fazer a diferença na prova. Muitos dos temas envolvem os Pronunciamentos Contábeis CPC´s, mas nada que fuja a realidade do que aprendemos durante o curso de Ciências de Contábeis. A postagem é longa, mas tentei resumir e simplificar o máximo sobre cada tema, para tentar facilitar o entendimento, caso tenham alguma dúvida ou discordância deixe seu comentário que debateremos com maior prazer. Para navegar pelos itens basta clicar em cima do nome do tema que quer ver e automaticamente a página irá até aquele determinado assunto. Vamos lá.

Dediquei e desprendi muito tempo nessa postagem e estou sempre atualizando com algum tema novo, ou acrescentando nos que já tem. Espero que seja útil para alguém, espero que ao final da prova, alguém possa dizer que eu tenha ajudado, que lembrou de alguma coisa que coloquei aqui, se uma pessoa passar por isso já estarei feliz, pois criei essa página para o bem de todos da classe contábil, boa sorte a todos no dia da prova. Confira:


PROVISÃO PASSIVOS CONTINGENTES


INSTRUMENTOS FINANCEIROS


VALOR REALIZÁVEL LÍQUIDO ESTOQUES


VALOR RECUPERÁVEL (IMPAIRMENT) ATIVO IMOBILIZADO


DEPRECIAÇÃO


DRE E RESULTADO DAS OPERAÇÕES NÃO CONTINUADAS


OUTROS RESULTADOS ABRANGENTES


DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC


DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA


DESPESAS PAGAS ANTECIPADAMENTE


CONTAS RETIFICADORAS


CIRCULANTE E NÃO CIRCULANTE




DUPLICATAS DESCONTADAS

Quem assim como eu iniciou e terminou o curso há alguns anos aprendeu no 1º ou 2º semestre que a conta Duplicatas Descontadas era retificadora do Ativo, mais precisamente da conta Clientes ou Duplicatas a Receber. Porém com o advento dos CPC´s e adequação das Normas Brasileiras de Contabilidade com as Normas Internacionais, esta conta agora é de fato e corretamente evidenciada no Passivo, pois trata-se nada mais, nada menos que um empréstimo bancário, que tem por garantia as Duplicatas em Carteira da empresa.

Veja nota e posição do Conselho Federal de Contabilidade sobre o assunto no link abaixo:

http://www.portalcfc.org.br/coordenadorias/camara_tecnica/faq/faq.php?id=2040


PROVISÃO PASSIVOS CONTINGENTES

Quem trabalha na prática com Contabilidade, mais especificamente no Setor Pessoal com certeza usa muito o termo Provisão seja para férias ou décimo terceiro, também usa-se dizendo para provisionar uma nota do fornecedor. Porém isto é um erro porque o significado do termo Provisão está distorcido pelo uso convencionado no dia a dia. 

Segundo o CPC 25 - Provisões, Passivos Contingentes e Ativos Contingentes, Provisões são passivos de prazo ou valores incertos.

O CPC 25 tem como objetivo definir critérios de  reconhecimento e bases de mensuração aplicáveis a provisões, contingências passivas e contingências ativas, bem como definir regras para que sejam divulgadas informações suficientes nas notas explicativas às demonstrações contábeis, para permitir que os usuários entendam sua natureza, oportunidade e seu valor. 

De acordo com este pronunciamento uma provisão deve ser reconhecida, quando atendidas, de forma cumulativa, as seguintes condições:
  • A entidade tem uma obrigação legal ou não formalizada presente como conseqüência de um evento passado;
  • É provável que recursos sejam exigidos para liquidar a obrigação; e
  • O montante da obrigação possa ser estimado com suficiente segurança.

O que tem sido muito cobrado no exame e em concursos é a questão da Provisão de alguns fatos como ações judiciais e trabalhistas, riscos ambientais e garantias. Então resumidamente este pronunciamento diz que só deve ser feita uma Provisão quando esta for PROVÁVEL a saída de recursos futuros, se for apenas POSSÍVEL deve ser apenas mencionada nas Notas Explicativas e quando as chances forem REMOTAS deve ser desconsiderada a informação, confira abaixo:

SITUAÇÃO
PROVÁVEL
POSSÍVEL
REMOTA
PROCEDIMENTO
CONTABILIZA
NOTAS EXPLICATIVAS
NADA

No item 59 do CPC 25 diz que as provisões devem ser reavaliadas em cada data de balanço e ajustadas para refletir a melhor estimativa corrente. Se já não for mais provável que seja necessária  a saída de recursos, deve ser revertida a provisão.

Vamos a um Exemplo:




























Resolução: Como podemos observar em 31.12.2012 a empresa tinha duas provisões realizadas para os processos 1 e 2. Mas em 30.06.2013 houve alteração na situação dos processos tanto em valores como em situação. O processo 1 houve um aumento no valor, mas ainda continua como provável então deve ser mantida a provisão e apenas ajustado seu valor no balanço; o processo 2 que antes era provável agora é apenas possível, sendo assim terá que ser revertida essa provisão; e o processo 4 agora sua situação é provável, sendo necessário criar uma provisão.
Resposta Letra E

Neste link abaixo tem um material completo sobre o assunto:

INSTRUMENTOS FINANCEIROS


O CPC 38 - Instrumentos Financeiros, que trata sobre a mensuração e reconhecimento destes. De acordo com o CPC, os instrumentos financeiros são classificados comumente em Disponíveis para Negociação Imediata, Destinadas para Venda e Mantidos até o Vencimento. Fala ainda sobre a mensuração destes, onde os que são para Negociação Imediata e Destinados para Venda, devem ser avaliados pelo Valor Justo ou seja Valor de Mercado, e dependendo se estes estão acima ou abaixo do valor contábil deve ser feito um ajuste na Contabilidade. Este ajuste é que é a grande questão ultimamente em provas de concursos. Segue um exemplo.

Suponha que uma determinada empresa adquiriu 3 títulos do Governo, ao valor unitário de 10.000 cada um, com a seguinte finalidade: 

Título 1 : será mantido até o vencimento. 

Título 2 – classificado como “destinado à negociação imediata” 

Título 3 – classificado como “disponível para venda futura”. 

Contabilização no momento da compra: 
D – Instrumentos financeiros “mantidos até o vencimento”...........................10.000 
D – Instrumentos financeiros “ destinados à negociação imediata” ................10.000 
D – Instrumentos financeiros “disponíveis para venda futura”........................10.000 
C – Caixa..........................................................................................................30.000 

No final do ano, tais títulos apresentam um rendimento de juros de 600 reais, os quais 
serão pagos no vencimento do título, e o seu valor justo é de 11.000 reais. 

Contabilização : 

1 – mantido até o vencimento : 
D – Instrumentos financeiros “mantidos até o vencimento”..........................600 
C – Receita de juros (resultado)......................................................................600 

Obs; neste caso, não há avaliação a valor justo. O título fica registrado “pela curva”, ou “pelo custo amortizado”, ou seja, pelo valor pago mais os rendimentos apropriados por competência. 
------------xx------------- 
2 – Destinado à negociação imediata: 

pelo rendimento : 
D – Instrumentos financeiros “ destinados à negociação imediata” .........600 
C – Receita de juros (resultado).................................................................600 

Com este lançamento, o Título fica registrado pelo valor de 10.600. Mas, como o valor 
justo é de 11.000, precisamos reconhecer uma receita de 400 reais, também no 
resultado: 

Pela avaliação a valor justo: 
D – Instrumentos financeiros “ destinados à negociação imediata” .........400 
C – Ajuste a valor justo (resultado)............................................................400 
-------------xx----------- 
3- Disponível para venda futura: 

Pelo rendimento : 
D – Instrumentos financeiros “disponíveis para venda futura”.................600 
C – Receita de juros (resultado).................................................................600 

Pela avaliação a valor justo: 
D – Instrumentos financeiros “disponíveis para venda futura”................400 
C – Ajuste de Avaliação Patrimonial (PL)...............................................400 

Repare que apenas a parcela do valor justo que altera o valor do título após a 
apropriação dos juros afeta o Patrimônio Líquido. 

A apropriação dos rendimentos (juros) é contabilizada no resultado do exercício


TABELA COM CLASSIFICAÇÃO NO BALANÇO PATRIMONIAL

INSTRUMENTO FINANCEIRO
GRUPO
CRITÉRIO DE AVALIAÇÃO
AJUSTE
NEGOCIAÇÃO IMEDIATA
ATIVO CIRCULANTE
VALOR JUSTO
RESULTADO
DESTINADOS PARA VENDA
ATIVO NÃO CIRCULANTE
VALOR JUSTO
PL
MANTIDOS ATÉ O VENCIMENTO
ATIVO NÃO CIRCULANTE
CUSTO + RENDIMENTOS
NÃO TEM


VALOR REALIZÁVEL LÍQUIDO ESTOQUES


CPC - 16 - Estoques, orienta sobre métodos de atribuição dos custos nos estoques. Estoques que enquadram-se na definição de estoques do CPC 16, devem ser mensurados pelo valor de custo ou pelo valor realizável líquido, dos dois o menor. 

O valor de custo inclui custos de aquisição, transformação, e todos os custos que forem incorridos até que o produto esteja em condições de venda. Os custos de aquisição, incluem os preço de compra, impostos (exceto os tributos recuperáveis, como por exemplo o ICMS), frete, seguro, serviços e descontos comerciais (Não confundir com desconto financeiro). 

Valor realizável líquido é o preço de venda, estimado no curso normal dos negócios, deduzido dos custos estimados de produção, mais os gastos para a concretização da venda. Valor justo, segundo o CPC 16, é o valor aceito como suficiente, por entre partes interessadas no negócio, conhecedoras do negócio, independentes entre si, sem fatores que pressionem para uma transação compulsória.

Estoques de natureza e uso semelhantes devem ser mensurados pelo mesmo método de custo. Na data de publicação do CPC 16 (R1), apenas os métodos PEPS e MPM eram aceitos pela legislação brasileira. No método PEPS - Primeiro que entra, primeiro que sai -, os itens mais antigos do estoque são baixados primeiro. No método MPM - Média ponderada móvel -, os itens são mensurados pela média ponderada dos custos de um determinado período. O método UEPS - Ultimo que entra, primeiro que sai não é mais aceito na legislação Contábil e nunca foi aceito pelo Fisco.

Vamos para um exemplo do Exame de Suficiência 2011.2

7. Uma sociedade  empresária mantém no seu estoque de mercadorias para revenda três tipos de mercadorias: I, II e III. O valor total do custo de aquisição, preço de vendas e gastos com vendas, em 31.12.2010, estão detalhados a seguir:

Mercadoria
Custo
Preço de Venda
Gastos com vendas
I
R$ 660,00
R$ 820,00
R$ 100,00
II
R$ 385,00
R$ 366,00
R$ 38,00
III
R$ 800,00
R$ 750,00
R$ 45,00

No Balanço Patrimonial em 31.12.2010, o saldo de Estoque de acordo com a NBC TG 16 é de:
a) R$1.693,00.
b) R$1.753,00.
c) R$1.845,00.
d) R$1.936,00.
Resolução

Mercadoria
Custo
Preço de Venda
Gastos com vendas
Valor Realizável
Saldo Estoque
I
R$ 660,00
R$ 820,00
R$ 100,00
820-100=720
R$ 660,00
II
R$ 385,00
R$ 366,00
R$ 38,00
366-38=328
R$ 328,00
III
R$ 800,00
R$ 750,00
R$ 45,00
750-45=705
R$ 705,00
TOTAL
R$ 1.693,00

Resposta Correta Letra A, pois os produtos II e III o valor realizável é menor que o custo registrado na contabilidade. 



VALOR RECUPERÁVEL (IMPAIRMENT) ATIVO IMOBILIZADO


O CPC-01 Redução do Valor Recuperável de Ativos, define a metodologia a ser aplicada por uma empresa para assegurar que seus ativos de longo prazo ou de natureza permanente não sejam registrados contabilmente por um valor superior àquele passível de recuperação por uso nas operações da companhia ou por meio de sua venda, assim como procedimentos relacionados à identificação (testes de impairment), mensuração, reconhecimento, reversão e divulgação de uma redução do valor recuperável desses ativos.


Utilizados na identificação e na mensuração de perdas do valor recuperável, os testes de impairment têm por objetivo assegurar que o valor contábil líquido de um ativo ou de um grupo de ativos de longo prazo não seja superior a seu valor recuperável, sendo este último o maior entre o valor líquido de venda e o valor em uso.

Para melhor compreensão da norma, é necessário o entendimento de alguns dos principais termos e conceitos. São eles:

VALOR CONTÁBIL LÍQUIDO:

É o valor do ativo registrado nas demonstrações financeiras, líquido da depreciação acumulada e de provisões para perdas registradas para esse ativo.

VALOR LÍQUIDO DE VENDA:

É o valor obtido ou que se pode obter na venda de um ativo ou de uma unidade geradora

de caixa, deduzidos os custos correspondentes. Esse valor deve considerar uma transação entre partes independentes, em condições usuais de mercado.

VALOR EM USO: 

É o valor da estimativa de fluxos futuros de caixa descontados a valor presente, derivados do uso de determinado ativo ou unidade geradora de caixa. É importante ressaltar que a determinação do valor em uso através dos fluxos de caixa descontados requer bastante cuidado e análise técnica, uma vez que envolve alguns parâmetros de cunho subjetivo, como a determinação da taxa de desconto a ser utilizada, por exemplo.

Embora não seja necessária a determinação do valor recuperável para todos os ativos anualmente, a empresa deverá avaliar e documentar a existência ou não de indicativos de impairment a cada encerramento de exercício ou período contábil.

Vamos para um exemplo do Exame de Suficiência 2011.2. Resolução tirada do site do Professro Mário Jorge, link do site: 

5. Uma empresa  industrial possui um Ativo Imobilizado cujo custo histórico é igual a R$50.000,00 e cuja depreciação acumulada equivale a R$12.000,00. A empresa apurou, para esse ativo, um valor justo líquido de despesas de venda de R$10.000,00 e um valor em uso de R$20.000,00.

Com base nos dados informados, considerando a NBC TG 01 – Redução ao Valor Recuperável de Ativos –, o valor a ser registrado como perda por desvalorização do Ativo Imobilizado será de:

a) R$18.000,00.
b) R$28.000,00.
c) R$30.000,00.
d) R$40.000,00.

Resolvendo
Então, como vimos no texto do Pronunciamento, haverá desvalorização quando na comparação do Valor Contábil do Ativo com seu Valor Recuperável, aquele (Valor Contábil) for maior.
Primeiro devemos saber qual é o Valor Recuperável que utilizaremos para comparar com o Valor Contábil.
Muito bem, deveremos utilizar sempre o maior valor entre o Valor justo líquido das despesas com vendas, com o valor em uso.

Segundo o enunciado os valores respectivos são:
Valor justo líquido das despesas com vendas = 10.000,00
Valor em uso = 20.000,00

Valor Recuperável = 20.000,00
Neste caso, para sabermos o valor da desvalorização, vamos comparar o Valor Contábil com o Valor Recuperável
Calculando o valor contábil:
Valor Contábil = Custo histórico menos depreciação acumulada
Valor Contábil  =  50.000,00  -  12.000,00  =  38.000,00
Calculando a perda por desvalorização
Valor contábil menos Valor em uso (neste caso)
38.000,00  -  20.000,00  =  18.000,00
Resposta correta:
a) R$18.000,00.




DEPRECIAÇÃO


Muitos participantes ainda têm dúvidas sobre Depreciação, vamos tentar aqui de forma reduzida explicar com base no CPC 27 de que forma pode se dá a depreciação e seus métodos.

Primeiramente em uma questão que envolva depreciação, temos que descobrir o valor de custo do bem adquirido que será depreciado.
Pois bem o CPC 27 diz que o custo de um item do ativo imobilizado compreende:
 (a) seu preço de compra, acrescido de impostos de importação e impostos não recuperáveis sobre a compra, após deduzidos os descontos comerciais e abatimentos;
 (b) quaisquer custos diretamente atribuíveis para colocar o ativo no local e condição necessárias para o mesmo ser capaz de funcionar da forma pretendida pela administração;
 (c) a estimativa inicial dos custos de desmontagem e remoção do item e de restauração do local (sítio) no qual este está localizado. Tais custos representam a obrigação em que uma entidade incorre quando o item é adquirido ou como consequência de o usar durante um determinado período para finalidades diferentes da produção de estoques durante esse período. 
Resumidamente de acordo com o Pronunciamento, o valor do custo do bem compreende tudo que você gastou efetivamente para deixar o bem em condições de uso, ou seja, o valor pago pelo bem mais  fretes, seguro, instalação e por fim se a empresa sabe que terá um custo para removê-lo ou restaurar o local que ele foi instalado então este custo futuro também faz parte do custo do bem. 
Depois de descobrirmos o valor de custo do bem, agora devemos saber qual valor usaremos como base de cálculo para a depreciação e a partir de qual momento se dará o início do registro da depreciação.
O CPC 27 fala que o valor depreciável de um ativo é determinado após a dedução de seu valor residual. Na prática, o valor residual de um ativo frequentemente não é  significativo e por isso imaterial para o cálculo do valor depreciável.
A depreciação do ativo se inicia quando este está disponível para uso, ou seja, quando está no local e condição necessários para o mesmo ser capaz de funcionar da forma pretendida pela administração. A depreciação de um ativo deve cessar na data em que o ativo é classificado como mantido para venda ou incluído em um grupo de ativos classificados como mantido para venda conforme CPC 31 - Ativos Mantidos para Venda.
Pois bem com base no CPC 27 vimos que o valor depreciável ou seja o valor que será base de cálculo para a depreciação é o valor de custo do bem deduzido do valor residual determinado pela empresa para aquele bem. Vimos também que a depreciação se inicia no momento em que o bem está pronto para uso e não precisamente funcionando, essa é uma pegadinha clássica. 

Bem agora vejamos os métodos de Depreciação mais utilizados e cobrados no exame e outros concursos.

Método Linear ou Quotas Constantes
É o método que contabiliza, como despesa ou custo, um valor constante do valor do bem em cada período, para encontrar a taxa depreciação do bem basta apenas dividir o valor depreciável pela vida útil.
.
Exemplo: A empresa comprou, no início de janeiro, um veículo com vida útil estimada de 5 anos pelo valor de $ 30.000,00, sem valor residual estimado. Qual será o valor da depreciação?

No final do primeiro ano, deverá reconhecer a despesa de depreciação de
 $ 30.000,00 : 5 = $ 6.000,00 por ano.

Para calcularmos o valor da depreciação mensal, para efeito de apuração de resultados mensais, basta dividir o valor da depreciação anual por 12:
R$ 6.000,00 : 12 = R$ 500,00 por mês.

Se considerarmos um valor residual de R$ 3.000,00 o valor anual da depreciação será:
($ 30.000,00 - $ 3.000,00) : 5 = $ 5.400,00 por ano.

Para calcularmos o valor da depreciação mensal, para efeito de apuração de resultados mensais, basta dividir o valor da depreciação anual por 12:
R$ 5.400,00 : 12 = R$ 450,00 por mês.

A contabilização do valor da depreciação mensal será efetuada da seguinte forma: débito de despesa de depreciação e crédito da conta Depreciação Acumulada, portanto o lançamento será:
Débito – Despesa de Depreciação $ 450,00
Crédito – Depreciação Acumulada $ 450,00

No final do primeiro ano, o Ativo Imobilizado da empresa deverá ser apresentado no Balanço Patrimonial da seguinte forma:
Veículos $ 30.000,00
(-) Depreciação Acumulada ($ 6.000,00) 
Saldo do Ativo Imobilizado $ 24.000,00
Desta forma, o leitor do balanço saberá a idade aproximada do Ativo Imobilizado da empresa.

Soma dos Dígitos
Este método consiste em somar os algarismos desde a unidade até o algarismo que representa o número de anos da vida útil do bem.
No exemplo do item anterior, sem considerar o valor residual, teríamos:
 1 + 2 + 3 + 4 + 5 = 15
Quota do 1o. Ano = 5/15 x $ 30.000 = $ 10.000
Quota do 2o. Ano = 4/15 x $ 30.000 = $ 8.000
Quota do 3o. Ano = 3/15 x $ 30.000 = $ 6.000
Quota do 4o. Ano = 2/15 x $ 30.000 = $ 4.000
Quota do 5o. Ano = 1/15 x $ 30.000 = $ 2.000
 soma = $ 30.000

Neste método, o valor mensal da depreciação:
no primeiro ano, seria de R$ 10.000,00 : 12 = R$ 833,33.
no segundo ano, seria de R$ 8.000,00 : 12 = R$ 666,67.
no terceiro ano, seria de R$ 6.000,00 : 12 = R$ 500,00.
no quarto ano, seria de R$ 4.000,00 : 12 = R$ 333,33.

no quinto ano, seria de R$ 2.000,00 : 12 = R$ 166,67.


Depreciação Acelerada.

O CPC 27 não trata especificamente da Depreciação Acelerada, mas já teve questões tratando da mesma, então aqui vai o que diz a Receita Federal no Regulamento do Imposto de Renda RIR/1999. 
Há duas espécies de depreciação acelerada:
  1. a reconhecida e registrada contabilmente, relativa à diminuição acelerada do valor dos bens móveis, resultante do desgaste pelo uso em regime de operação superior ao normal, calculada com base no número de horas diárias de operação, e para a qual a legislação fiscal, igualmente, acata a sua dedutibilidade (RIR/1999, art. 312);
  2. a relativa à depreciação acelerada incentivada considerada como benefício fiscal e reconhecida, apenas, pela legislação tributária para fins da apuração do lucro real, sendo registrada no Lalur, sem qualquer lançamento contábil (RIR/1999, art. 313).
No que concerne aos bens móveis poderão ser adotados, em função do número de horas diárias de operação, os seguintes coeficientes de depreciação acelerada sobre as taxas normalmente utilizáveis (RIR/1999, art. 312):
1,0 – para um turno de 8 horas de operação;
1,5 – para dois turnos de 8 horas de operação;
2,0 – para três turnos de 8 horas de operação;
Nessas condições, um bem cuja taxa normal de depreciação é de 10% (dez por cento) ao ano poderá ser depreciado em 15% (quinze por cento) ao ano se operar 16 horas por dia, ou 20% (vinte por cento) ao ano, se em regime de operação de 24 horas por dia.
Exemplo um bem cujo o custo foi de 10.000,00 com vida útil de 5 anos e não teve nenhum valor residual a taxa normal de depreciação dele é de 20% pelo método linear.
10.000,00 x 20%= 2.000,00 ao ano ou 166,666 ao mês.
Se este bem é utilizado em 2 turnos ou 16 horas então multiplicaremos o valor da depreciação pelos numero acima mencionados.
166,666 x 1,5 = 250,00 ao mês ou 2.000,00 x 1,5= 3.000,00 ao ano.
Se este bem é utilizado em 3 turnos ou 24 horas então multiplicaremos o valor da depreciação pelos numero acima mencionados.
166,666 x 2 = 333,33 ao mês ou 2.000,00 x 2 = 4.000,00 ao ano.


DRE E RESULTADO DAS OPERAÇÕES NÃO CONTINUADAS



O CPC 31 – Ativo Não Circulante Mantido para Venda e Operação Descontinuada exige que os ativos não circulantes que venham a ser colocados à venda (ativos não circulantes mantidos para venda) sejam:
  • mensurados pelo menor entre o valor contábil até então registrado e o valor justo menos as despesas de venda, e que a depreciação ou a amortização desses ativos cesse;
  • apresentados separadamente no balanço patrimonial e que os resultados das operações descontinuadas sejam apresentados separadamente na demonstração do resultado.
Assim, se a companhia resolve, de forma conclusiva (a venda é altamente provável), vender, por exemplo, as máquinas de uma se suas linhas de produção, esses bens devem ter seu valor contábil ajustado, caso ele seja inferior ao valor justo deduzido das despesas necessárias à venda das máquinas (redução ao valor recuperável de ativos). Outra providência é parar de depreciar as máquinas.
O ganho ou perda na alienação dessas máquinas será classificado como resultado de operações descontinuadas. Assim, pode-se dizer que o resultado de operações descontinuadas representa na essência aquilo que tradicionalmente se identifica no Brasil como resultados não operacionais.
Eis o modelo de DRE proposto pelo CPC:

(em milhares de $)
20X2
20X1
Operações em continuidade
Receita
 X
 X
Custo dos produtos vendidos
(X)
(X)
Lucro bruto
 X
 X
Outras receitas
 X
 X
Despesas de distribuição
(X)
(X)
Despesas administrativas
(X)
(X)
Outras despesas
(X)
(X)
Participação no lucro de coligadas 
 X
 X
Lucro antes das despesas financeiras
 X
 X
Despesas financeiras
(X)
(X)
Lucro antes dos tributos
 X
 X
Despesa de imposto de renda e contribuição social
(X)
(X)
Lucro do período proveniente de operações em continuidade
 X
 X
Operações descontinuadas
Lucro do período proveniente de operações descontinuadas
 X
X
Lucro líquido do período
 X
 X

Voltar ao Índice


OUTROS RESULTADOS ABRANGENTES



Outros resultados abrangentes compreendem itens de receita e despesa (incluindo ajustes de reclassificação) que não são reconhecidos na demonstração do resultado como requerido ou permitido pelos Pronunciamentos, Interpretações e Orientações emitidos pelo CPC. 

Os itens de resultado abrangente são:
  • os efeitos de correção de erros e mudanças de políticas contábeis apresentados como ajustes retrospectivos de períodos anteriores;
  • alguns ganhos e perdas provenientes da conversão de demonstrações contábeis de operação no exterior
  • alguns ganhos e perdas atuariais;
  • algumas mudanças nos valores justos de instrumentos de hedge.

Vamos a um exemplo do Exame de Suficiência 2013.2.


3. Uma sociedade empresária apresentou em 31.12.2012 as seguintes informações:



CONTAS
SALDOS
Ajuste Credor de Avaliação Patrimonial 
 R$     400,00
Ajuste Credor de Conversão do Período
 R$     400,00
Aumento do Capital Social
 R$     600,00
Custo da Mercadoria Vendida
 R$  2.400,00
Despesa com IRPJ e CSLL
 R$       80,00
ICMS Incidentes sobre Vendas
 R$     400,00
Receita Bruta de Vendas
 R$  4.000,00
Receitas Financeiras
 R$     800,00

Com base nessas informações. assinale a opção que apresenta o Resultado Abrangente Total do Período.

a) R$2.320,00
b)R$2.720,00
c)R$3.520,00
d)R$4.320,00

Primeiramente temos que apurar o lucro líquido do exercício elaborando a DRE
  1 - Receita Operacional Bruta
4.000,00
      . Venda de Mercadorias
4.000,00
  2 - Deduções e Abatimentos
(400,00)
      . ICMS sobre Vendas
(400,00)
  3 - Receitas Operacionais Líquida
3.600,00
  4 - Custos Operacionis
(2.400,00)
      . Custos das Mercadorias Vendidas
  5 - Lucro Antes do Resultado Financeiro
1.200,00
      . Receitas Financeiras
800,000
  6 - Lucro Antes do Imposto de Renda e CSLL
2.000,00
        IRPJ e CSLL
(80,00)
  7 - Lucro ou Prejuízo Do Exercício
1.920,00















Segundo o CPC 26:

Resultados abrangentes incluem:

Lucro Líquido

Ajustes de avaliação patrimonial

Variações de reserva de reavaliação

Ganhos e perdas atuariais em planos de pensão

Ganhos e perdas derivados da conversão de demonstrações de operações no exterior.
Proprietário é o detentor de instrumentos classificados como patrimoniais (de capital próprio, no patrimônio líquido).

Resultado do período é o total das receitas deduzido das despesas, exceto os itens reconhecidos como outros resultados abrangentes no patrimônio líquido.
Ajuste de reclassificação é o valor reclassificado para o resultado no período corrente que foi inicialmente reconhecido como outros resultados abrangentes no período corrente ou em período anterior.
Resultado abrangente é a mutação que ocorre no patrimônio líquido durante um período que resulta de transações e outros eventos que não derivados de transações com os sócios na sua qualidade de proprietários. (Capital Social, portanto, não está inclusa na DRA)
Resultado abrangente compreende todos os componentes da "demonstração do resultado" e da "demonstração dos outros resultados abrangentes".

DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO ABRANGENTE - DRA

RESULTADO LÍQUIDO DO PERÍODO
        1.920,00

OUTROS RESULTADOS ABRANGENTES
           
           800,00
Ganhos e perdas derivados de conversão de Demonstrações Contábeis no exterior
           400,00
Ajuste de avaliação patrimonial
           400,00
RESULTADO ABRANGENTE DE EMPRESAS INVESTIDAS
                -
(POR EQUIVALÊNCIA PATRIMONIAL)
                -
RESULTADO ABRANGENTE DO PERÍODO
        2.720,00








Resposta: Letra B


Voltar ao Índice


DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA - DFC


CPC 03 trata sobre a Demonstração do Fluxo de Caixa (DFC) que esta tem o propósito de esclarecer de forma condensada as entradas e saídas da conta Caixa (caixa + banco) em determinado período ou exercício gerados por atividades operacionais, de investimento e de financiamentos. Tem-se como base às informações contidas no Balanço Patrimonial e na Demonstração do Resultado do Exercício.

As atividades operacionais compreendem as transações que envolvem a consecução do objeto social da Entidade. Elas podem ser exemplificadas pelo recebimento de uma venda, pagamento de fornecedores por compra de materiais, pagamento dos funcionários, etc.

Atividades de investimentos compreendem as transações com os ativos financeiros, as aquisições ou vendas de participações em outras entidades e de ativos utilizados na produção de bens ou prestação de serviços ligados ao objeto social da Entidade. As atividades de investimentos não compreendem a aquisição de ativos com o objetivo de revenda.

Atividades de financiamentos incluem a captação de recursos dos acionistas ou cotistas e seu retorno em forma de lucros ou dividendos, a captação de empréstimos ou outros recursos, sua amortização e remuneração. 

Existem dois modelos de apresentação da demonstração do fluxo de caixa, podendo ser utilizados os métodos direto ou indireto. Nosso estudo será focado o método indireto, pois acredito ser de mais entendimento e fixação. Este método consiste em ajustar o Lucro Líquido por meio de alterações no Ativo e Passivo Circulantes as quais provocaram aumento ou redução no Caixa da empresa. Vamos entender melhor com o exemplo a seguir.


Bem vamos tentar explicar, para resolver bem simples essa questão temos que pegar o Lucro e ajustá-lo, vamos ver de que forma.

Atividades Operacionais

Lucro do Exercício..................15.000,00 (Iniciamos o método indireto pelo lucro e vamos ajustá-lo)
(+) Depreciação........................7.000,00 (a questão diz que a redução no ativo imobilizado foi por meio de Depreciação, e esta conta não reduz caixa efetivamente é apenas reconhecida no resultado como desvalorização dos bens, por isso ela entra somando no lucro, pois não saiu dinheiro de verdade)
(-) Aumento no Contas a Receber....... (60.000,00) Se esta conta aumentou então entende-se que a empresa vendeu a prazo, quer dizer que das receitas contidas na DRE nem todas foram a vista e por isso o aumento dela nos reduzimos do lucro, se tivesse diminuído subtenderia que a empresa teria recebido de seus clientes então aumentaria o caixa.
(-) Aumento no Estoque.... (20.000,00) Se esta aumentou então a empresa comprou mercadorias se comprou saiu recursos por isso diminui, quando confrontarmos o aumento no estoque com o aumento de fornecedores, então teremos a diferença do que realmente saiu de dinheiro da empresa.
(-) Redução nos Fornecedores, se esta conta diminui então foi devido a pagamento feito pela empresa, então saiu recursos da mesma. 
(-) Redução no Contas a pagar mesmo entendimento da Conta de Fornecedores.
Após tudo isso temos quanto a empresa gerou ou consumiu de caixa nas suas atividades operacionais, agora vamos tentar finalizar essa DFC e ver se bate o valor do caixa no final.

Atividades de Investimentos

(-) Aumento no Imobilizado...... (35.000,00) se aumentou o imobilizado é porque a empresa comprou então saiu recursos.
(-) Aumento de Investimentos...(70.000,00) se a empresa aumentou seus investimentos então investiu caixa, o que logicamente reduz, pois é uma retirada para colocar no banco. 

Atividades de Financiamentos.

(+) Aumento de Empréstimos.....110.000,00 se a conta empréstimos aumentou, então entrou dinheiro na empresa.
(+) Aumento Capital Social.... 90.000,00 mesmo entendimento de empréstimo, se o Capital Social aumentou foi devido a integralização então entrou recursos na empresa.

Então fazemos os cálculos e vejamos se a variação do Caixa condiz na DFC igual ado Balanço.

   (65.000,00) Atividades Operacionais
 (105.000,00) Atividades de Investimentos
   200.000,00 Atividades de Financiamentos
     30.000,00 Variação de Caixa no Ano.
     10.000,00 Saldo de Caixa do Ano Anterior
     40.000,00 Saldo de Caixa Final, tem que ser igual ao que tá no Balanço Patrimonial. 


Como podemos ver a DFC é bem lógica é descobrir o que causa a redução ou aumento de Caixa da empresa.
Voltar ao Índice



DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA


CPC 09 - DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO - DVA, Esta demonstração representa a riqueza criada pela empresa, de forma geral medida pela diferença entre o valor das vendas e os insumos adquiridos de terceiros. Inclui também o valor adicionado recebido em transferência, ou seja, produzidos por terceiros e transferidos à entidade. E também demonstra de que forma essa riqueza foi distribuída, e ela tem que ser demonstrada da seguinte maneira: Pessoal e Encargos (salários); Impostos, taxas e contribuições (governo); Juros e aluguéis (remuneração de capital de terceiros); Juros sobre Capital Próprio (Dividendos pagos); Lucros ou prejuízos retidos.

Definições:

Receita de venda de mercadorias, produtos e serviços representa os valores reconhecidos na contabilidade a esse título pelo regime de competência e incluídos na demonstração do resultado do período. As receitas vão brutas sem retirar os tributos incidentes. Deve ser retirado apenas as devoluções e descontos.
Outras receitas representam os valores que sejam oriundos, principalmente, de baixas por alienação de ativos não-circulantes, tais como resultados na venda de imobilizado, de investimentos, e outras transações incluídas na demonstração do resultado do exercício que não configuram reconhecimento de transferência à entidade de riqueza criada por outras entidades.
Insumo adquirido de terceiros representa os valores relativos às aquisições de matérias-primas, mercadorias, materiais, energia, serviços, etc. que tenham sido transformados em despesas do período. Enquanto permanecerem nos estoques, não compõem a formação da riqueza criada e distribuída. O CMV deve ir para DVA também bruto ou seja, sem abater os impostos recuperáveis.
Depreciação, amortização e exaustão representam os valores reconhecidos no período e normalmente utilizados para conciliação entre o fluxo de caixa das atividades operacionais e o resultado líquido do exercício.
Valor adicionado recebido em transferência representa a riqueza que não tenha sido criada pela própria entidade, e sim por terceiros, e que a ela é transferida, como por exemplo receitas financeiras, de equivalência patrimonial, dividendos, aluguel, royalties, etc.

Distribuição do Valor Adicionado

Remuneração paga aos vários elementos que contribuíram para a geração da riqueza:

Remuneração do trabalho - Refere-se à parte da riqueza gerada distribuída com os empregados em forma de salários, encargos, 13º salário, férias, comissões, gratificações etc. Neste item não devem ser incluídos os encargos com o INSS, pois estes vão diretamente para o governo, não retornando integralmente ao empregado;
Remuneração do governo - Representa o conjunto de tributos e contribuições sociais pagas ao governo. Neste item são incluídos os valores de taxas, impostos e contribuições diversas, bem como INSS, IR etc. Os valores relativos ao ICMS e IPI são os já recolhidos aos cofres públicos; devem ser considerados apenas os valores devidos ou já recolhidos, e representam a diferença entre os impostos e contribuições incidentes sobre as receitas e os respectivos valores incidentes sobre os itens considerados como “insumos adquiridos de terceiros”.
Remuneração de terceiros - Remuneração de pessoas que colocaram à disposição da empresa seu próprio capital sob forma de juros. Inclui aluguéis pagos ou creditados a terceiros, juros e despesas financeiras relativas a empréstimos e financiamentos. Note-se que os juros são uma distribuição de renda, uma transferência de riqueza, e não uma riqueza criada;
Remuneração do capital próprio - São recursos pertencentes aos investidores e acionistas sob a forma de dividendos e lucros retidos, uma vez que estes estão sob a guarda da entidade e são reinvestidos na atividade. Também se deve considerar o prejuízo do exercício. Vamos para um exemplo do Exame de Suficiência.


Questão 12 - Uma sociedade empresária é constituída com um capital de R$100.000,00, totalmente integralizado em dinheiro. Após a constituição, a empresa realizou as seguintes transações:

  • Aquisição de mercadorias por R$50.000,00, neste valor incluído o valor de R$6.000,00, relativo ao ICMS recuperável.
  • Venda das mercadorias por R$90.000,00, neste valor incluído ICMS, no valor de R$15.300,00.
  • Despesas com energia do período, no valor de R$900,00.
  • PIS e COFINS incidentes sobre vendas, no valor de R$3.285,00.
  • Despesa com aluguéis, no valor de R$1.000,00.
  •  Despesas com salários e FGTS, no valor de R$2.000,00.
  • Despesa com INSS, no valor de R$400,00.
  • O lucro foi destinado como se segue:

5% para reserva legal;
40% para dividendos obrigatórios; e
55% para lucros para deliberação da assembleia.

Na Demonstração do Valor Adicionado, o Valor Adicionado Total a Distribuir, é de:
  1. R$45.100,00.
  2. R$44.100,00.
  3. R$39.100,00.
  4. R$38.100,00.
Resolução
Trata de uma questão de DVA (CPC 09). Para resolvê-la (e isso servirá para qualquer questão envolvendo a DVA) é necessário que se tenha em mente a estrutura da demonstração, completa.
Uma dica importante para ganhar tempo na prova é entender o que se pede. Nesse caso, o examinador pergunta sobre o “Valor Adicionado a Distribuir”. Dessa forma, não precisaremos preparar a DVA por completo durante a prova.
Vamos elaborá-la, considerando as informações do enunciado:

  • Aquisição de mercadorias por R$50.000,00, neste valor incluído o valor de R$6.000,00, relativo ao ICMS recuperável.
A primeira informação é de que foram adquiridos R$ 50.000,00 em mercadorias e que nesse valor está incluído R$ 6.000,00 de ICMS recuperável. Nenhuma outra informação é dada sobre estoque de mercadorias, Podemos concluir, então, que o CMV será de R$ 50.000,00. Lembre-se de que na DVA, em seu item 2 (Insumos Adquiridos de Terceiros) os valores dos custos DEVEM incluir ICMS, IPI, PIS e COFINS. O valor está alocado na linha “2.2” no modelo de DVA apresentado abaixo:
  • Venda das mercadorias por R$90.000,00, neste valor incluído ICMS, no valor de R$15.300,00.
O valor de venda das mercadorias deverá ser liquido dos descontos concedidos e devoluções de venda
  • Despesas com energia do período, no valor de R$900,00.
Basta alocar as despesas com energia na linha 2.3.

Demonstração do Valor Adicionado
Cia. Empresária
em R$ mil
 20XX
DESCRIÇÃO

1-RECEITAS
       90.000,00
1.1) Vendas de mercadoria, produtos e serviços
       90.000,00
1.2) Provisão p/devedores duvidosos – Reversão/(Constituição)

1.3) Não operacionais

2-INSUMOS ADQUIRIDOS DE TERCEIROS (inclui ICMS e IPI)
-     50.900,00
2.1) Matérias-Primas consumidas

2.2) Custos das mercadorias e serviços vendidos
       50.000,00
2.3) Materiais, energia, serviços de terceiros e outros
            900,00
2.4) Perda/Recuperação de valores ativos

3 – VALOR ADICIONADO BRUTO (1-2)
       39.100,00
4 – RETENÇÕES

4.1) Depreciação, amortização e exaustão

5 –VALOR ADICIONADO LÍQUIDO PRODUZIDO PELA ENTIDADE (3-4)
       39.100,00
6 – VALOR ADICIONADO RECEBIDO EM TRANSFERÊNCIA

6.1) Resultado de equivalência patrimonial

6.2) Receitas financeiras

7 – VALOR ADICIONADO TOTAL A DISTRIBUIR (5+6)
       39.100,00
8 – DISTRIBUIÇÃO DO VALOR ADICIONADO
       39.100,00
8.1) Pessoal e encargos
         2.000,00
8.2) Impostos, taxas e contribuições (INSS e ICMS S/ Vendas, menos ICMS recuperável)
       12.985,00
8.3) Juros e aluguéis
         1.000,00
8.4) Juros s/ capital próprio e dividendos
         9.246,00
8.5) Lucros retidos / prejuízo do exercício
       13.869,00
* O total do item 8 deve ser exatamente igual ao item 7.


RESPOSTA LETRA C

A questão pede o valor a distribuir, mas este valor tem que dar igual na distribuição se não a DVA estará incorreta. Como vemos o item 7 é igual ao item 8, então esta demonstração está correta.

DESPESAS PAGAS ANTECIPADAMENTE

Conforme o próprio nome diz, "despesa antecipada" ou "despesas do exercício seguinte" têm o significado de algo que já foi pago e ainda não foi usufruído, utilizado, posto em operação, gozado, etc. Como uma aquisição de seguro que foi quitado em parcela única e ainda não iniciou-se o período de gozo do mesmo, este deve ser registrado como uma despesa paga antecipadamente, ou seja, é um direito da empresa de estar segurada por 1 ano,  e mensalmente apropriar o valor correspondente a cada mês contratado até que seja totalmente transferido para o resultado. Outros exemplos de despesas pagas antecipadamente são assinaturas de revistas, jornais e também aluguéis pagos antecipadamente

Vamos ao exemplo do Exame de Suficiência 2013.2:


10. Em 31.7.2013, uma sociedade empresária firmou contrato de seguros com cláusula de cobertura dos ativos para o período de 1º.8.2013 a 31.07.2014.
A empresa pagou em 31.07.2013, em parcela única, o montante de R$1.200,00 referente ao prêmio de seguro.
De acordo com o contrato, em caso de sinistro, a empresa poderá receber indenização no montante de até R$ 100.000,00, e o valor da franquia a ser paga será de R$840,00.
No Balanço Patrimonial de 31.7.2013, a empresa apresentará a seguinte situação patrimonial.

a)     Despesas Pagas Antecipadamente, no Ativo Circulante, R$1.200,00.
b)     Despesas Pagas Antecipadamente, no Ativo Não Circulante, R$360,00.
c)      Despesas Realizadas com Seguros, na Demonstração de Resultado, R$840,00.
d)     Seguros a Receber, no Ativo Não Circulante, R$100.000,00.


Contabilização:
Pelo pagamento de quitação do seguro:

31.07.2013
Débito – Despesas pagas antecipadamente Seguros - AC
Crédito – Caixa
R$ 1.200,00


Pela apropriação do 1º mês.

31.08.2013
Débito – Despesa com Seguros - Resultado
Crédito – Despesas pagas antecipadamente Seguro - AC
R$ 100,00
Então mensalmente é feito essa apropriação até que nada mais reste na conta de Seguros. 



Resposta: Letra A.
Voltar ao Índice


CONTAS RETIFICADORAS


Outra dúvida que ainda percebo em muitos estudantes de Contabilidade é quanto a classificação e natureza das contas, sugiro que leia a NBC TG 1.000 onde tem um plano de contas simplificado ou também este link do COSFI, que tem a natureza e função das contas. 
Mas decidi colocar aqui algumas das contas retificadoras mais comuns e cobradas na prova do Exame de Suficiência, estas contas tem natureza contrária ao grupo que pertencem, ou seja se estão no Ativo elas então aumentarão pelo crédito diferentemente das contas normais do ativo que aumentam pelo dédito e se for do passivo será o contrário. Vejamos a seguir:

DEPRECIAÇÃO ACUMULADA: Como vimos em um tópico acima esta conta é uma conta retificadora do Imobilizado, ou seja ela reduz as contas do Imobilizado refletindo assim o desgaste dos bens. Tem natureza Credora.

AMORTIZAÇÃO ACUMULADA: Mesmo raciocínio da Depreciação, só que esta está vinculada ao Ativo Intangível.

JUROS A APROPRIAR E TRANSCORRER: São duas contas com a mesma função reduzir uma conta, mas ficam em grupos diferentes. Juros a Apropriar é conta retificadora do Ativo, podendo ser curto ou longo prazo, ocorre quando a empresa vende algo a prazo com juros embutidos referente ao prazo que ela deu, ou seja, pelo princípio da Competência os juros têm que serem apropriados mensalmente por todo o período. Juros a Transcorrer do Passivo é a situação inversa, a empresa pagou juros na contratação de um empréstimo por exemplo, mas estes juros não são desse período de aquisição e sim de todo o prazo do empréstimo, então este é reconhecido proporcionalmente pelo período que compreende, vamos a um exemplo: 

A empresa vendeu uma mercadoria por R$ 5.000,00 com 5 meses de prazo com juros de 10%:

D - Clientes 5.500,00
C - Receita 5.000,00
C - (-) Juros a Apropriar 500,00

A empresa adquiriu um empréstimo bancário com prazo de 12 meses de R$ 10.000,00 com juros de 6%:

D - Banco 10.000,00
D - (-) Juros a Transcorrer 600,00
C -  Empréstimo Bancário 10.600,00

Mensalmente a empresa tem que fazer a apropriação destes juros do Ativo e Passivo em contra partida no resultado.

Juros a Apropriar, foram 500 reais no prazo de 5 meses divide então 500/5 = 100,00 mensal

D - (-) Juros a Apropriar 
C - Receita Financeira com Juros
Valor R$ 100,00

Juros a Transcorrer, foram 600 reais no prazo de 12 meses divide então 600/12 = 50,00 mensal

D - Despesa Financeira com Juros 
C - (-) Juros a Transcorrer
Valor R$ 50,00


CAPITAL À INTEGRALIZAR: Corresponde ao débito do sócio com a Empresa no ato da Constituição, Ele promete um valor que fica registrado no Capital Subscrito e o que ele ainda falta integralizar fica nessa conta. Exemplo:

Constituição da Empresa com um Capital de R$ 10.000,00
D - (-) Capital à Integralizar
C -  Capital Subscrito
Valor R$ 10.000,000 

Integralização do Capital no valor de R$ 5.000,00
D -  Caixa
C - (-) Capital à Integralizar
Valor R$ 5.000,00


BALANÇO PATRIMONIAL
ATIVO
            5.000,00
PASSIVO

CAIXA
            5.000,00
PL
           5.000,00


CAP SUB
         10.000,00


(-) CAP INT
-         5.000,00




TOTAL
            5.000,00
TOTAL
           5.000,00


AÇÕES EM TESOURARIA: Essa tem sido frequente nas questões que envolve o Patrimônio Líquido, ela tem função retificadora do PL. E o que é essa conta? Esta conta representa ações que a empresa adquiriu dela mesma, em dado momento algum sócio quis vender suas ações, mas a empresa viu que o momento não era bom para vendê-las então resolveu adquiri-las para uma venda posterior quando o mercado estiver mais promissor. Exemplo.

Aquisição de Ações próprias.

D - (-) Ações em Tesouraria
C - Banco

Venda das Ações com Ágio, ou seja vendeu as ações por um valor superior ao que estava registrado

D - Banco
C -  (-) Ações em Tesouraria
C - Ágio na venda de Ações (Conta de PL)


PROVISÃO PARA CRÉDITOS DE LIQUIDAÇÃO DUVIDOSA (PCLD): Esta conta antigamente chamada de Provisão para Devedores Duvidosos PDD não é das mais conhecidas para os estudantes, pois o uso dela nas aulas me parece ser muito raro. Porém para quem trabalha em grandes empresas do Lucro Real ou que se submetem a Auditorias conhece muito bem este termo.  Esta conta é retificadora de Clientes, é uma provisão que a empresa faz em cima do que ela tem a receber, onde por meio de estudo, estatística, ou estimativa presumisse que ela não receberá uma certa quantia. Simplificando uma empresa tem na sua conta Cliente um saldo de R$ 10.000,00 e através de um estudo ela estima que 1% desse valor não será recebido, são os clientes duvidosos, inadimplentes. O lançamento é o seguinte:

D - Despesas com PCLD (CR)
C - (-) PCLD (AC)
Vr - 100,00 --- valor criado

O percentual de PCLD é um estudo feito na empresa que analisa o % de vendas não realizadas em períodos anteriores.

Vamos supor que a empresa recebeu mais do que esperava, então temos que fazer a reversão dessa provisão:

D - (-) PCLD (AC)
C - Outras Receitas Operacionais (CR)

Como no ano anterior a empresa registrou a Provisão como Despesa, o recebimento da mesma deve entrar como Receita direto no resultado.


Vamos supor que o valor de recebimento de um cliente de R$ 100,00 não foi recebido de maneira nenhuma, então temos que dar baixa no débito do cliente e encerrar a provisão.

Neste caso:

D - (-) PCLD (AC)
C - Clientes a receber (AC)
Vr- 100,00

Voltar ao Índice


CIRCULANTE E NÃO CIRCULANTE



De acordo com NBC TG 1000 no Balanço Patrimonial, a entidade deve classificar os ativos como Ativo Circulante e Não Circulante e os passivos como Passivo Circulante e Não Circulante.

O Ativo deve ser classificado como Ativo Circulante quando se espera que seja realizado até 12 meses da data de encerramento do balanço patrimonial. Nos casos em que o ciclo operacional for superior 12 meses, prevalece o ciclo operacional.

Todos os outros ativos devem ser classificados como Ativo Não Circulante.

O Passivo deve ser classificado como Passivo Circulante quando se espera que seja exigido até 12 meses da data de encerramento do balanço patrimonial. Nos casos em que o ciclo operacional for superior a 12 meses, prevalece o ciclo operacional.

Todos os outros passivos devem ser classificados como Passivo Não Circulante.

Voltar ao Índice





Espero ter ajudado a todos, estou aqui para qualquer esclarecimento ou solicitação, boa sorte a todos estes são os mais sinceros votos do Site CQC - Contador a Qualquer Custo.





70 comentários:

  1. parabéns pela iniciativa e confesso que teu site ajudou-me muito no exame 2014.1

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grande Parceiro Monasses sempre presente em nosso site.
      Obrigado amigo!

      Excluir
  2. Olá, estou gostando muito do seu site. Pretendo fazer a prova no próximo ano (no 7º Período) , pois estou no 6º. Suas resoluções estão me ajudando.

    Grata

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz por estar ajudando e grato que esteja gostando, boa sorte e qualquer coisa estamos a disposição.

      Excluir
  3. MUITO OBRIGADA PELA AJUDA ANTONIO!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Disponha, estou à disposição da classe e da Ciência Contábil!

      Excluir
  4. Olá, bom dia Sr Antônio. Também estou gostando muito de sua ajuda. Está me esclarecendo melhor, pois fiz faculdade à distância e me formei no primeiro semestre de 2012, aos 54 anos. Como já havia uns 26 anos sem estudar, confesso que senti um pouco de dificuldade.
    Nos 04 primeiros semestres eles disponibilizavam vídeos, o que não ocorreu mais durante o percurso do curso, havendo inclusive sempre troca de tutores, o que acarretou, acho, um pouco de prejuízo à turma. Mas, enfim. Parabéns pela iniciativa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você que merece todos os parabéns amiga, por sua iniciativa e determinação. Desejo-lhe muito sucesso, e o que precisar estou à disposição. Agradeço o apoio!

      Excluir
  5. Só agora conheci este site, está me ajudando bastante, estou estudando muito espero consegui aprovação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que consiga, qualquer dúvidas estou à disposição!
      Boa sorte!

      Excluir
  6. Muito obrigada pela ajuda, pretendo fazer o exame de crc 2015/1 e sem apostila ficaria difícil mas graças ao bom Deus que temos você.

    ResponderExcluir
  7. Como eu não descobri vc antes rs explanação de conteúdo perfeita! Farei o próximo exame do CRC como graduanda de bacharelado no último ano de curso.. espero muito passar! Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que estou ajudando, boa sorte você vai conseguir sim a aprovação, basta ter calma e determinação.

      Excluir
  8. Bom dia! Estou gostando bastante do site, esses resumos dos conteúdos são ótimos para que a gente relembre os assuntos. Contudo, vendo a parte de instrumentos financeiros me surgiu uma dúvida: porque o ajuste no "negociação imediata" é no resultado e o "destinado para venda" é no PL?

    ResponderExcluir
  9. Prezado Antônio Quirino,
    Obrigada por dedicar seu tempo na criação e manutenção deste Blog.
    Abraços e que Deus te abençoe!
    Ellen Figueiredo

    ResponderExcluir
  10. Neste domingo dia 22 estarei fazendo a prova e seu blog me esclareceu muitas dúvidas.
    Muito obrigado pela ajuda e dedicação para com a turma da contabilidade.
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. meu muito obrigado por tudo, adorei estudar pelo seu site

      Excluir
  11. Boa noite, Antonio.

    Vou fazer o exame domingo, o ano de 2014/01/02 foram muitas questões referente a custos, terias uma alguma opinião a qual assunto irá destacar agora em 2015?

    Abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, impossível saber qual assunto, porém muitos participantes nos exames anteriores sentiram dificuldades em Contabilidade de Custos que é uma disciplina muito cobrada na prova, caiem em torno de 8 a 10 questões. Também ler um pouco das NBC´s.

      Excluir
  12. Gostaria de agradecer pelo site, Deus continue te iluminando!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amém, e a todos também! Fico feliz em ajudar estou à disposição!

      Excluir
  13. Ótimo site!
    Explicações claras e bem resolvidas.
    Parabéns por dividir seu conhecimentos com os bacharéis de contabilidade.
    Tenho certeza que suas explicações irão me ajudar muito na prova de amanhã.

    ResponderExcluir
  14. Boa tarde Antônio, estou muito anciosa pelo gabarito do tecnico, se puder me ajudar agradeço!

    ResponderExcluir
  15. Boa tarde Antônio, estou muito anciosa pelo gabarito do tecnico, se puder me ajudar agradeço!

    ResponderExcluir
  16. Boa tarde Antonio! Teria como vc publicar o gabarito da prova do tecnico 2015? Desde ja agradeço!

    ResponderExcluir
  17. Boa tarde Antonio! Teria como vc publicar o gabarito da prova do tecnico 2015? Desde ja agradeço!

    ResponderExcluir
  18. Bom dia, Prof.
    Vou revisar as 3 ultimas provas, pois vou fazer o exame. Gostei muito do seu site. Parabéns pela iniciativa

    ResponderExcluir
  19. Ola, primeiramente lhe parabenizo pelo site, e de grande valia para recém formados,no meu caso irei prestar concurso para a Marinha do Brasil, 2º Tenente, Oficial Contador, e estudei durante dois anos, utilizei sei Site e Conteúdos muito bem explicados para revisão, mais uma vez Parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, fico feliz em ajudar. Boa sorte e sucesso! Estou a disposição!

      Excluir
  20. Ola boa noite, quero parabenizar o seu trabalho, pois é de muita valia seu empenho em ajudar aos que necessitam de um pouco mais de conhecimento na área contábil. Grato

    ResponderExcluir
  21. Ola boa noite, quero parabenizar o seu trabalho, pois é de muita valia seu empenho em ajudar aos que necessitam de um pouco mais de conhecimento na área contábil. Grato

    ResponderExcluir
  22. Olá, quero parabeniza-lo pelo seu trabalho. Fiz o exame 2015.1 e fui aprovada graças a sua ajuda!
    Hoje sou contadora com registro no CRC e seu site me ajudou muito na minha conquista de aprovação.

    ResponderExcluir
  23. Parabéns pelo trabalho professor, está sendo de grande proveito em meus estudos, farei a prova neste domingo 20/09/15 e concerteza me ajudará na aprovação. Que Deus o abençõe....

    ResponderExcluir
  24. Parabéns pelo trabalho tenha certeza que Deus o abençoará muito, vi uma mensagem uma vez e a guardo comigo, diz assim: "sempre que puder ajude alguém sejá uma mão amiga àquela pessoa, sua mão será como a mão de Deus aquele momento".

    ResponderExcluir
  25. Não consigo postar com meu nome aqui, professor, mas me chamo Carlos José Neto e, como todos os amigos, venho agradecer a parabenizar pelo seu trabalho. Terminei de ler esse seu texto e fiz muitas questões depois conferindo com seus gabaritos. Amanhã tenho a Prova 2015.2 e espero que tenha o resultado esperado. Mesmo que não consiga, agradeço imensamente pelo seu serviço prestado. Muito ajudou nessa grande revisão. Obrigado!!!

    ResponderExcluir
  26. Pq os professores nao ajudam a formular questoes para interpor????? Sumiram tds?

    ResponderExcluir
  27. Você precisa de um empréstimo para ampliar o seu negócio? Se responder Sim: pastorpetersloan@hotmail.com para mais informações.

    ResponderExcluir
  28. Amei o site e fiquei muito feliz por ter te encontrado. Pretendo fazer a próxima prova em 2016, e com todas essas explicações e resoluções de provas acredito que com meu esforço em estudar e praticar, irei passar. Muito obrigada e que continue com essa disposição e boa vontade em ajudar os iniciantes. Com certeza, quando passar, irei postar.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  29. preciso de ajuda na seguinte questão: uma empresa demite o funcionário mas não paga sua rescisão. a rescisão tem retenção de ir. a retenção de ir dever ser informada em dctf? na dirf deve constar o valor da rescisão?

    ResponderExcluir
  30. É de muita importância as dicas que você passa aqui!
    Gostaria de saber se você já tem ou gostaria de ter um canal no Youtube para passar vídeo aula pra gente?

    ResponderExcluir
  31. Obrigada pela dedicação. Que Deus continue o abençoando!!

    ResponderExcluir
  32. Quero agradecer imensamente pela sua excelentíssima colaboração e dedicação.e neste dia especial da Ressurreição do Senhor seja iluminado para sempre. FELIZ Páscoa!Quero na próxima mensagem agradecer pela minha aprovação no exame de suficiência do próximo dia 10 de abril.Grande Abraço!

    ResponderExcluir
  33. Parabéns, Professor adorei esse seu resumo, me esclareceu vários pontos... Muito Obg !

    ResponderExcluir
  34. O que falar desse contador e professor!? sempre que tenho dúvidas olho seu site. Parabéns meu amigo :)

    ResponderExcluir
  35. Nossa estou muito contente com a ajuda dada aqui, fantástica. Gostaria de sugerir tópicos, eu não encontrei nada ainda assim, tipo todas as questões reunidas da mesma matéria das provas do CFC. Dai o aluno pode focar na área q tem mais dificuldades ou estudar por módulos e depois relembrar.
    OBRIGADA E PARABÉNS!

    ResponderExcluir
  36. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  37. Olá,
    Se você precisa de empréstimo urgente para limpar suas dívidas ou você for rejeitado pelos bancos e outras instituições financeiras? Você precisa de um empréstimo para melhorar seu negócio? Você precisa de um empréstimo de consolidação ou hipoteca? Ligue agora como estamos todos aqui para fazer nos últimos problemas financeiros.

    Este é companhias de empréstimo mrbobwood. máximo de $ 5.000,00 USD $ 100.000.000,00 dólares que .Amount faixa de 2% oferecem empréstimos a pessoas interessadas através de uma taxa de juros adequada.

    Máxima segurança de nossos empréstimos são segurados como nossa primeira prioridade.
    Em investidores têm NECESSIDADE.

    Entre em contato conosco via e-mail:
    mrbobwood@hotmail.com

    sinceramente
    mrbobwood
    Um meio para o seu mundo.

    ResponderExcluir
  38. Olá,
    este é, Ozkan Bektas quaisquer necessidades ajudar a que uma oportunidade financeira é aberto a todos para informar o público em geral financeira que um empréstimo especial. Ops taxa de juros de 3% é uma clara e compreensível termos, indivíduos, empresas e empresas de as condições em que damos crédito. E-mail: ozkanbektas.ru@gmail.com

    ResponderExcluir
  39. Gente cadê a resolução da última prova.....2016.2?..

    ResponderExcluir
  40. Olá,
    você precisa de um empréstimo? você está tendo problemas com a sua dívida do que entre em contato conosco hoje e então podemos resolver o problema para você, dando-lhe um empréstimo com taxa de juros de 2% Entre em contato conosco com o e-mail (Brandspeter12 @ outlook. com), só por favor pessoas sérias.

    Obrigado.

    ResponderExcluir
  41. Você tem procurado opções para sua compra de uma casa nova,
    Construção, empréstimos imobiliários, refinanciamento, consolidação
    Dívida, finalidade pessoal ou comercial do financiamento?
    Bem-vindo ao futuro! Financiamento feito fácil com a gente.
    Por que esperar o dinheiro que você precisa com urgência?
    Nós temos o dinheiro para emprestar você. Nosso serviço de empréstimo financeiro é 100% garantido.
    Contacte-nos como oferecemos a nossa taxa de serviço financeiro baixa e taxa de juros acessível de 2% taxa baixa e taxa de juros acessível de 2%
    Inscreva-se agora e junte-se a milhares de clientes satisfeitos.
    Email: zenithloanlimited@gmail.com

    ResponderExcluir
  42. Gostaria de agradecer pois com a forma clara de explicar as questões dos exames de suficiências anteriores, tirei muitas dúvidas, aprendi muito e hoje tenho alegria de dizer que passei no exame de suficiência 2017.1 e parte a esta conquista se deve a este site que tem dicas e informações riquíssimas pra quem está se preparando. Muitíssimo obrigado, que Deus abençoe vocês e que a vida conceda o melhor pra vocês.

    ResponderExcluir
  43. Parabéns pela página, me ajudou muito no Exame de Suficiência 2017.1. Estou indicando o mesmo para os demais colegas que ainda irão fazer a prova. Obrigada!

    ResponderExcluir
  44. Quero comprar uma apostila, alquem sabe onde encontro para o Exame de Suficiência 2017.2

    ResponderExcluir
  45. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  46. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  47. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  48. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  49. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  50. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir